Gestão de nutrição sem o uso de antibióticos

Gado de corte

 

Steve Blezinger para a revista Progressive Dairy, publicado em 6 de agosto de 2019

Desde janeiro de 2017, a FDA (agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos) implementou regulamentos mais rigorosos para antibióticos que são comumente utilizados na indústria de alimentação animal. Produtores de gado e de aves foram acusados do uso em excesso de antibióticos, principalmente, os que estimulam o crescimento, ou seja, visando o aumento da eficiência da ração e dos lucros.

Os antibióticos que mais preocupam a comunidade médica e os consumidores são os considerados clinicamente importantes para uso humano. Foi possível observar que diversos agentes infecciosos que afetam humanos se tornaram mais resistentes aos antibióticos comumente utilizados há anos para o tratamento humano.

A transmissão de bactérias (nesse caso, bactérias resistentes a antibióticos) de animais para humanos é extremamente complexa. A causa mais provável para este problema pode ser a prescrição excessiva de antibióticos por parte dos médicos e a má administração dos medicamentos por parte dos pacientes. De qualquer modo, as indústrias pecuária e avícola estão sendo pressionadas para diminuir (ou eliminar) o uso de antibióticos promotores de crescimento na ração.

Embora inicialmente o foco tenha sido os antibióticos administrados por meio da ração, isto é, aqueles especificamente utilizados para promover o crescimento, a discussão se estendeu ao uso de antibióticos injetáveis para fins terapêuticos, em grande parte devido à falta de entendimento do consumidor sobre os aspectos básicos da gestão da saúde animal. A demanda por produtos alimentícios orgânicos e livres de antibióticos é uma tendência crescente.

Felizmente, o uso destes na ração nos últimos anos têm sido mínimos. O uso de antibióticos como a clortetraciclina tem sido comum em programas para bezerros para diminuir diarreia e problemas respiratórios. O uso de outros antibióticos, como o Rumensin, se tornou bastante difundidos. Porém, apesar de o Rumensin (monensina sódica) ser tecnicamente um antibiótico, não foi alvo de tanto escrutínio por não ser considerado um medicamento relevante para humanos, sendo utilizado somente para melhorar a eficiência da ração e não para promover o crescimento.

Minimizando o uso de antibióticos na fazenda

A maioria das fazendas com as quais trabalhei ao longo dos anos sempre tiveram a preocupação em minimizar o uso de antibióticos para ao menos obter a redução de custos. Embora os dados de base sobre a eficácia desses produtos estejam disponíveis há anos, é possível que o custo adicional, que nem sempre pode ser estimado, seja considerável. Além disso, os custos de outros medicamentos terapêuticos injetáveis também aumentaram excepcionalmente nos últimos anos. Se houver uma oportunidade para reduzir completamente o uso de antibióticos na pecuária, mas sem prejuízos à saúde e ao bem-estar animal, ela deve ser considerada. Isso ajudará a melhorar a percepção do consumidor em relação às práticas pecuárias e, potencialmente, reduzirá custos.

Dito isso, o produtor deve trabalhar em conjunto com veterinários, nutricionistas e com a equipe da fazenda para elaborar um plano viável que vise reduzir o uso de antibióticos. Essa redução não ocorre do dia para a noite, especialmente se a fazenda for altamente dependente dessas ferramentas, o que geralmente acontece. Em segundo lugar, implementar um programa desse tipo envolve diferentes etapas, pois são exigidas mudanças em várias áreas da administração da fazenda.

Um dos aspectos significativos que faz parte do plano de redução de antibióticos é o programa nutricional. Anos de pesquisa e inúmeros estudos relacionaram a nutrição e a saúde de animais. Elaboramos programas nutricionais com objetivo de atingir diversos aspectos. Essencialmente, o programa nutricional é projetado para auxiliar nos lucros de produção, componentes e reprodução. A saúde animal é um fator igualmente importante a ser considerado quando um programa nutricional é projetado e implementado. Consideremos algumas das medidas que devem ser adotadas para auxiliar a saúde animal com o objetivo de reduzir o uso de antibióticos na fazenda:

  1. Nutrição básica e saudável. Embora isso pareça muito básico e excessivamente simples, pode ser difícil manter um programa de nutrição estável e adequadamente balanceado, especialmente com a economia agrícola dos últimos anos. Manter um equilíbrio adequado de entrega de nutrientes para o animal não é tão simples quanto parece, especialmente quando nenhum centavo pode ser desperdiçado. É importante lembrar de que a ingestão de matéria seca (IMS), o equilíbrio de proteína e energia, os níveis adequados de fibra, minerais e vitaminas e a digestibilidade global da ração são todos fatores muito importantes para a produção e reprodução e para a saúde e bem-estar dos animais.
  2. Oferecer dietas adequadas para transições, estágios de produção, genética, idade/paridade, ambiente, níveis de estresse. Todos esses e outros fatores afetam os requisitos nutricionais do animal e devem ser levados em consideração. Quanto mais precisa for a alimentação das vacas, melhor será o respaldo à produção, reprodução e saúde (PRS).
  3. Misturar e oferecer alimentos do modo mais preciso possível.
  4. Ajustar as rações, conforme necessário, quando os ingredientes (especialmente forragens) mudarem.
  5. Fornecimento abundante de água limpa e fresca, o que é imprescindível e não deve ser em hipótese nenhuma subestimado.
  6. Fazer o necessário para diminuir o estresse. Isso inclui:
  7. a) Garantir que haja leitos e locais para descanso suficiente – evite a superlotação do espaço.
  8. b) Garantir que haja espaço suficiente no cocho.
  9. c) Tomar medidas para reduzir o estresse devido ao calor/frio.
  10. d) Monitorar a saúde das pernas e das patas. Aparar os cascos conforme o necessário, utilizando pedilúvios etc.
  11. Manter a higiene geral da fazenda. Isso inclui todas as áreas: currais, salas de ordenha, armazém de alimentos etc.
  12. Monitorar micotoxinas. As micotoxinas são imunossupressores e são encontradas praticamente em todos os lugares. Fornecer um bom adsorvente de toxinas de amplo espectro.
  13. Considerar a possibilidade de fornecer aditivos cientificamente comprovados que melhorem o desempenho da saúde da vaca e/ou do bezerro.

Diversos aditivos e produtos que afetam positivamente a saúde e o desempenho animal já foram identificados. Entre esses produtos, estão inclusos os de levedura e de parede celular de levedura, vários microbianos de alimentação direta, óleo essencial (extratos vegetais), adsorventes de micotoxinas, fontes de enzimas etc. Em muitos casos, o principal efeito de aditivos alimentares dessa natureza é auxiliar na redução do estresse. É importante ressaltar que o estresse é conhecido por suprimir o desempenho imunológico, por isso, ações para reduzi-lo ajudará a manter a saúde e o desempenho geral do animal.

Há uma quantidade ilimitada de combinações de produtos/aditivos que podem trabalhar sinergicamente para melhorar a saúde e o desempenho dos animais, além de potencialmente reduzir ou eliminar a necessidade de adicionar certos medicamentos à ração. Para obter a combinação adequada de aditivos ou o uso de aditivos isolados, bem como os protocolos gerais de gerenciamento de alimentação, é necessário realizar algumas pesquisas e tentativas e erros para que eles sejam estabelecidos em todas as produções.

Nenhuma fazenda é igual, por isso, precisam de programas especificamente projetados para elas. Certifique-se de que tudo o que for utilizado tenha uma finalidade específica e seja baseado em dados concretos. Cada componente individual tem um custo, que deve ser identificado e comprovado economicamente. É necessário que haja um retorno positivo no investimento.

 

Conclusões

A pressão sofrida por pecuaristas e avicultores para reduzir o uso de antibióticos veio para ficar. Embora em alguns casos isso possa dificultar a administração da vida e da fazenda, em outros casos, força os produtores a se tornarem melhores administradores. Elementos que ajudam a melhorar a administração (e, com sorte, os lucros) devem ser considerados como algo positivo e que os coloca na direção certa.

Dr. Steve Blezinger é consultor de gestão e nutrição, localizado em Sulphur Springs, Texas. Artigo publicado na revistas “Progressive Dairy”.

 

 

 

Compartilhe:

Publicado em 11 August de 2020